terça-feira, 27 de dezembro de 2011

N°69 - Prisioneiro...


                 Hoje vou contar a historia de um preso, uma pessoa que aprendeu da forma mais difícil como se ama de verdade, um aventureiro, um desafiador, uma pessoa que precisou sentir na carne a falta de alguém para só assim aprender a dar valor, e foi assim guiado pela força de uma paixão que retornou para onde nunca deveria ter saído, voltou a ser refém de um amor, foi sentenciado a viver o mais belo e puro amor que pudesse imaginar. Um amor diferente, um amor sem comparação, uma sentimento forte que faz tremer toda e qualquer estrutura, um amor que te traz para perto e diminui a distancia por mais longe que seja, um amor que entra covardemente na mente e no clarão da noite te leva a deseja o mais intenso calor, um desejo daqueles que ti faz revirar durante a madrugada onde o pensamento não muda pelo contrario e algo constante que torna tudo melhor, um olhar, um toque, um sorriso, um abraço, um beijo.
                E aqui onde a uma vida passa a ser duas, onde duas vidas passam a ser uma, onde oque no começo era acaso, agora se torna necessário, trazendo à felicidade, levando embora à agonia, a tristeza, a saudade.  Por conta disso não reclamo de ser prisioneiro dessa paixão louca, desse amor fervoroso e por que não de um ciúme doentio e se depender de mim ficarei assim por muito tempo, esperando julgamento sem condicional, vivendo cada dia mais no regime fechado dos braços DELA, aprendendo a lição e pagando pelo crime de se apaixonar, de ter se entregado. Sei que agora e tarde pra se arrepender, mais na verdade se arrepender de que? De amar e ser amado? De jurar um amor verdadeiro?  Não! Disso não faz sentido se arrepender, pelo contrario, me orgulho disso a cada fez que olho pra Ela e sem fazer nada consigo roubar mais um sorriso pra minha coleção de peças valiosas.
                E assim que me sinto hoje, preso a esse gostoso amor, daqueles de passar noites em claro em conversas vis SMS, em se alegrar em ver uma bolinha verde no fecebook, em conversar no telefone fazendo caretas e virando a cabeça, em fazer bicos e caretas em lugares públicos e não se sentir um palhaço, em passar horas apenas olhando olho no olho e não se cansar, pois sei que cada segundo ali e um momento a mais perto de quem você realmente ama afinal toda a grade vida vivida tem que ter um grande amor e nesse assunto eu encho a boca pra dizer que ainda não vivi tudo e tenho muita vida pela frente, mas dessa minha vida de hoje o meu grande amor e você Claudia Herlaine.

Um comentário:

  1. Quem diria que fossemos chegar aqui, não é mesmo? Veja só onde aquela boba amizade chegou, no que nos transformamos um para o outro... Sei que não existe duvida de que tudo isso é recíproco, de que cada espaço de tempo ao seu lado é curto demais. Você, meu oposto, lado que perfeitamente me completa e que todos os dias me deixa provar mais e mais da plena felicidade. Nossa história nunca esteve tão longe de acabar, se é que acabará... Sinto que de alguma forma a vida nos fará dois em um, um em dois e que estaremos aptos a nos reencontrar nessa ou em quantas vidas preciso for. Eu te amo Adalberto Meira!

    ResponderExcluir