sábado, 26 de março de 2011

Nº45 - Difícil decidir

26 de março de 2011

          O tempo passa, a noite esfria e o coração congela, nesse momento me pergunto: o que fazer pra aquecer? Alguém ai tem a solução? Se tiver, por favor, me ajude, pois hoje grito por socorro, um socorro de alguém que no fundo no fundo, ainda sofre por amor.
          Nos últimos tempos percebi que meu coração ainda pode bater por alguém, que na verdade, tudo que um dia jurei nunca mais fazer, acabei novamente fazendo, sentimento difícil esse que não perde tempo e quando você menos espera já te corroeu por dentro, deixando muitas das vezes marcas nas quais nada ninguém podem apagar.
   E difícil sentir-lo, afinal quem realmente o sente nuca esquece, quem realmente o sente sempre quer mais, só quem realmente sente sabe do que estou falando. Hoje não precisei ir muito longe pra provar pra mim que ainda tenho marca nas quais por mais que tente não vão sair por tão cedo.
   Difícil lhe dar com algumas situações, ao pensar que tudo esta sobe meu controle, me deparo perdido em muitas decisões, essa não e a primeira vez que isso acontece, mais também acho que não vai ser a ultima afinal não foi desta vez que eu aprendi.
           Há alguns dias venho lutando contra tudo e contra todos. O meu jeito Dal, muitas vezes me atrapalha no momento que meu sentimento fala mais alto, já o jeito Adalberto, muitas vezes me afasta das pessoas, pois utilizar da razão para decidir minha vida sem pensar no que isso pode levar, parece um solução simples NE? Mas não e, queria muito conseguir unificar esses dois, garanto que já tentei, mas foram fracassadas tentativas.
           Mas afinal o que isso tem haver com meus sentimentos? Por que falar de coração e dupla personalidade ao mesmo tempo? Isso por que percebi que o jeito Dal de ser só me faz voltar a um tempo que não necessitam ser lembrado e que na verdade o que me faz crescer mesmo e muitas das vezes quando e usar da razão e não do coração.
           Devido a tudo isso aqui citado vai continuar vivendo minha vida, só que agora de uma forma de diferente, guardando o jeito Dal apenas para quem realmente merece, e usando do jeito Adalberto de viver, aprender, entender e principalmente agir, por que nessa minha jornada, AGIR vai ser o verbo que usarei pra conjugar minha VIDA VIVIDA.

domingo, 13 de março de 2011

Nº44 - Um jeito errado de falar DELE


            13 de Março de 2011

                  Hoje liguei pra alguém que há muito tempo não falava direito, sabe aquela pessoa que só liga quando você mais precisa? Pois bem, e DELE mesmo que eu to falando, da minha metade, do lado positivo e negativo da minha vida, de um dos meus pilares de sustentação, da minha grande inspiração de vida, eu to falando DELE, to falando de VIDA.
            Como sempre hoje o papo foi bom, agente deu muita risada, matamos todas as saudades, nem tive tempo pra chorar, afinal há toda hora dava risadas de alguma palhaçada vinda do outro lado da linha, trocamos experiências, ouvimos conselhos um do outro, nos atualizamos das novidades, contei todos os meu problemas, fiz isso por que quase todas as soluções saem, saíram e sempre vão sair da boca DELE, me senti bem ali do lado dele,se bem que isso não e difícil, e só fechar os olhos e ouvir sua voz que já vem na cabeça sua imagem, rindo fazendo palhaçada. Nossa ao desligar o telefone percebi que já faz um bom tempo que não o vejo, e vou ainda mais longe, já se torna o período mais longo sem a sua presença, nossa quanto isso machuca, mais não ligo muito não, afinal sei que por onde quer que eu vá levo ELE comigo e nem preciso me preocupar pois sei que esse amor e recíproco, que sempre que precisar ELE vai estar lá.
            Pois bem, sem ELE posso até dizer que minha vida não seria a mesma, que as aventuras não teriam graça, que a felicidade não existiria, que a vida não seria bela muito menos que seria vivida. Tenho-o não em presença mais em sentimento e só isso me basta pra torta tudo isso possível, o brigado por existir minha metade de vida, meu irmão do coração e por que não, parte de minha VIDA VIVIDA.