quinta-feira, 26 de maio de 2011

Nº50 - Passados...

26 de Maio de 2011

Hoje decidi rever fotos e ouvir musicas que há muito tempo não via nem ouvia, revivi um passado gostoso que nunca vai ficar apagado, pois esse mesmo passado que me faz muitas vezes nos momentos mais difíceis voltar a si e enxergar o caminho que continuo rumo a horizontes antes nunca desbravados, e esse passado que me ensina, me fortalece e que ajuda e entender todo o que hoje chamo de presente.
Lembrei de um tempo onde as viagens eram entre amigos, onde a militância era encarada como uma gostosa aventura, onde se formaram as grandes amizades da minha vida, onde “anjos e demônios” surgiram, onde a infância ficou pra traz levando um garoto bobo e infantil a se tornar um verdadeiro militante, um verdadeiro amigo, um verdadeiro filho, um verdadeiro irmão. A vida tem mesmo dessas coisas, tiramos proveitos das situações mais inusitadas, na minha não é diferente, me recordo sem muito esforço de momentos marcantes, um nascer de sol em salvador, um frio muito forte em São Paulo, uma cachoeira em Cordeiros, uma formatura acompanhada de um fim de ano marcado por um novo começo, são vários os momentos felizes que tiro lições importantes que mesmo que tentasse não caberia nunca aqui, estão separadas num lugar muito especial da minha recordação, lugar de onde tiro risos e lagrimas, suspiros e calafrios, saudades e alívios.
Tive uma conversa com alguém muito especial nesses últimos dias, alguém que esteve presente em muitos desses momentos tão especiais. Nossa! Parecia que ela tinha adivinhado o quanto eu precisava de alguém que me lembra-se de tantas coisas boas.  Não sei explicar parece que ela sente, ela prevê, ela sabe.
   Pra terminar essa curta retrospectiva dos meus melhores momentos, digo que nada é  por acaso, que nada é em vão e que tudo  existe um propósito, não me arrependo de nada, faria tudo de novo, e  se minha vida hoje e a melhor de todas e por que  ela sempre  foi  uma VIDA VIVIDA.

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Nº49 - Promessa Cumprida

13 de Maio de 2011


               Hoje vou fazer uma viagem grande, pra ser exato no dia 11 de abril de 2001 às 8hs da manha, quero convidar você a ler com atenção e viajar junto comigo nesse momento tão curto e ao mesmo tempo tão importante da minha vida.

               Tudo começa com os procedimentos da cirurgia, visto uma camisola verde muito curta por sinal e com ela apenas ela que permaneci por muito tempo, a maca chegou antes de subir olhei para frente e La estava ELA, a mulher mais importante da minha vida, aquela na qual tinha me apoiado durante sofridos dois anos e meio de tratamentos, na sua fisionomia um medo era gritante mesmo assim ao olhar e me ver pronto pra ir, abriu aquele sorriso e me disse àquela frase que sempre me aliviou mesmo nas piores situações, “calma meu filho com fé em deus vai dar tudo certo”, sabia que estava sendo difícil para ela afinal acompanhado da frase vieram algumas lagrimas que ela fazia questão de disfarçar para cada vez me passar mais segurança, mais era difícil se sentir seguro quando a situação e vivida por você, e difícil ser corajoso quando se depara com uma hipótese de não sobreviver, de nunca mais poder ver as pessoas mais importantes pra você, de sentir o medo estampado na cara de todos que tinha contato, isso tudo sem levar em conta que estamos falando de um menino de dez anos de idade que não tinha vivido tudo que queria não tinha conhecido tudo que queria conhecer, estamos falando de alguém que estava começando a conhecer a vida vivida, antes de deitar na maca respirei fundo fechei os olhos e lembrei-me de tudo que conseguir, desde um machucado que tinha sofrido ate meu primeiro beijo, minha primeira bicicleta, as partidas de futebol com os amigos na rua de terra, mas nada foi mais forte do que se lembrar do meu irmão da minha família que não estava ali, depois daí foi barra, o choro estava ali entalado na garganta, segurei firme na mão da minha mãe se falei “calma eu volto” as mês promessa feita a todos aqueles que esperavam ver novamente aquele menino que não tem medo de viver a vida do jeito que ela e apresentada um dia de cada vez um momento diferente do outro.
                Pronto? A enfermeira me chamou a atenção, “sim” respondo eu to pronto, por mais que o “pronto” nem chegou a sair direito coloquei a toca e deitei, sem soltar a mão da minha mãe começamos a caminhar sentido o elevador já na porta do quarto mais uma pessoa que sou eternamente grato e aproveito aqui pra desejar obrigado a você minha madrinha por ter muitas vezes ter sido uma mãe pra mim, e nunca ter me negado esse espaço no maior e mais carinhoso coração do mundo junto a ela  mina prima Juliana  que também foi e sempre será uma  irmãzona,  todos juntos  me acompanharam ate o elevador  dali em diante  seguiria sozinho mas  não exatamente  sozinho  levava comigo  todos aqueles que torciam por mim todos que de alguma forma esperavam minha volta, entrei no  elevador e ali tenho pra mim uma das cenas mais fortes da minha vida, olhando pra porta vi  minha mãe  me desejando boa sorte  e chorando  naquele momento todas as lagrimas  que por muito tempo segurei vieram a tona e me desagüei, sem saber se  a pessoa  mais importante da minha vida estava ali me dizendo “adeus” ou  “volta logo meu filho”.
                 Mais graças a deus deu tudo certo ao acordar a primeira pessoa que avisto foi minha mãe que não saia de perto de mim por nada, ao acordar fiz uma piadinha dizendo que nunca desapontei minha mãe e não seria agira que iria fazer isso. Dedico esse texto aminha mãe umas das pessoas se não há pessoa mais importante daminha vida mãe te amo muito e sua salta ao mesmo tempo em que me faz corroer por dentro me da forçar pra continuar essa dura jornada, essa vida de momentos marcantes, de fatos inesquecíveis e de pessoas especiais essa VIDA VIVIDA.